Revolução – o retorno de um corpo astral a um ponto da própria órbita é o espetáculo de formatura de Sophia Colleti no curso de Direção Teatral da Escola de Teatro da UFBA. A peça é uma adaptação autoral, escrita e dirigida por Colleti, do livro Revolutionary Road, de Richard Yates, e estreia nesta quarta (05) no Teatro Martim Gonçalves. A temporada segue até domingo (09) com sessão quarta e quinta, às 20h, e de sexta a domingo, às 17h e às 20h, sempre com entrada gratuita.

A montagem traz a história de Bárbara e André, interpretados por Camila Guilera e Israel Barretto, dois adultos de espíritos livres que, diante de uma realidade que não os contenta, optam pela mudança, e enfrentam as consequências de abrir mão do conveniente. Entre vislumbres de um passado feliz e conflitos de um presente duro, o espetáculo convida o público à uma atmosfera intimista que brinca com a metalinguagem do teatro.

Para a diretora, a peça trata de questões atemporais e universais das relações humanas. “Revolução fala do que vem de dentro, e esse tema é eterno. Acompanhamos personagens que buscam honestidade em seus relacionamentos, sem, no entanto, oferecer honestidade em troca. Eles são como a gente – queremos viver pela verdade, mas logo falhamos em ser verdadeiros com quem mais importa: nós mesmos. Eis o retorno periódico a um ponto da própria órbita. Será que conseguimos romper com o ciclo?”, questiona Colleti.

Além de Camila Guilera, integrante do grupo A Panacéia; e Israel Barretto, integrante do grupo A Outra Companhia de Teatro, o elenco conta com Hyago Matos e Larissa Libório, estudantes da Escola de Teatro, Aícha Marques, atriz premiada pelo Festival Nacional de Florianópolis e pelo Prêmio Braskem de Teatro (2009 e 2011) e Rui Manthur, ator baiano recém indicado ao Prêmio Braskem de Teatro 2018 na categoria melhor ator por seu trabalho no espetáculo Enfermaria n.º6. Revolução conta com orientação da professora Elisa Mendes e a produção é do grupo de teatro A Panacéia.

SERVIÇO

Revolução – o retorno de um corpo astral a um ponto da própria órbita

Teatro Martim Gonçalves

De 05 a 09 de junho

Quarta e quinta, às 20h

Sexta a domingo, às 17h e às 20h

Entrada gratuita