O Outubro Rosa é uma data celebrada anualmente por um movimento de adesão mundial que visa estimular a luta contra o câncer de mama e seu diagnóstico precoce. Como forma de devolver a autoestima da mulher, a reconstrução mamária é um procedimento importante para que ela se recupere emocionalmente. A cirurgiã plástica Dra. Amália Spector apresenta opções de reconstrução mamária para pacientes que sofrem com a retirada da mama.

Existem vários tipos de reconstrução mamária. Dra. Amália Spector explica a importância de discutir com o cirurgião sobre qual tipo de reconstrução é a melhor opção para cada caso. “Avaliamos o histórico clínico e mostramos as melhores opções de reconstrução com base na idade, estado de saúde geral, tipo de corpo, estilo de vida, metas e outros fatores”. Para a especialista, é importante aproveitar o momento para conversar abertamente sobre preferências pessoais e expressar quaisquer preocupações e prioridades que se tem sobre a reconstrução.

As opções de reconstrução são definidas de acordo com os limites, riscos e benefícios que impactam em fatores pessoais como, por exemplo, estado geral de saúde, estágio da doença, tamanho original da mama, tipo de procedimento desejado, tamanho do implante ou da mama reconstruída e tempo de recuperação da cirurgia. “Entender o desejo da paciente e o que ela espera com a cirurgia é fundamental para chegar a um bom resultado. Por exemplo, pacientes que têm mama grande, algumas vezes podem desejar uma mama menor, então a reconstrução é feita com este objetivo e acabamos simetrizando a mama contra-lateral. O importante da reconstrução é devolver a autoestima da mulher, de forma que ela consiga estar feliz com o seu corpo novamente”, destaca.

São muitos os tipos de procedimentos disponíveis para reconstrução mamária e o processo nem sempre é rápido, muitas vezes pode ser necessário mais do que uma cirurgia.

Os dois principais tipos de cirurgia utilizados para reconstruir a forma da mama são implantes mamários e procedimentos usando retalhos cutâneos. Às vezes, pode ser usada uma combinação de implantes e retalhos cutâneos para obter um melhor resultado. Além disso, também são realizados procedimentos de reconstrução do mamilo e da aréola para fazer com que a mama reconstruída se pareça o máximo possível com a mama original.

A reconstrução mamária pode ser imediata ou tardia. A imediata, quando feita, ou pelo menos iniciada, junto com a mastectomia, possui vantagens, pelo fato de os tecidos da parede torácica não terem sofrido os danos da radioterapia ou cicatrização (fibrose). Além de evitar novas cirurgias, o resultado estético costuma ser melhor.

“Infelizmente nem todas as mulheres têm a oportunidade de serem submetidas à reconstrução imediata. Neste caso, poderemos reconstruir sua mama tardiamente”, pontua Spector.

Sempre que possível, a reconstrução é feita no mesmo momento da mastectomia, o que torna a cirurgia mais fácil de ser executada tecnicamente, reduz a ansiedade e melhora a qualidade de vida da paciente. “Ter sua mama reconstruída é um direito de toda mulher!”, alerta a cirurgiã plástica.