Por Dr. Daniel Vianna (CRM 25216), angiologista e cirurgião vascular da Center Cardio

Doença bastante comum, as varizes dos membros inferiores, aquelas veias superficiais dilatadas e tortuosas nas pernas e coxas, provocam dores e inchaços, que levam a desconforto e afetam a estética das pernas. As técnicas cirúrgicas são o método indicado para a remoção das varizes dos membros inferiores. Embora na última década novas tecnologias de tratamento tenham surgido, como o laser cirúrgico e catéteres de radiofrequência, que serão abordados em uma coluna posterior, a cirurgia convencional de varizes ainda é o método mais utilizado para tratar o problema.

Importante etapa no tratamento, a cirurgia de varizes é eficiente e melhora muito a circulação venosa. Isso porque, ao retirar as varizes, os riscos de complicação da doença diminuem, melhorando a saúde em geral e o aspecto da perna. As varizes são degenerativas e progressivas, sendo uma doença crônica que piora com a idade e com alguns hábitos de vida.

Mesmo após a cirurgia, as varizes podem aparecer em outras áreas distintas da operada. Por isso, é importante o acompanhamento e controle com o angiologista. A tendência hereditária às varizes deve ser considerada, e a pessoa com esta característica deve adotar um estilo de vida saudável, que inclua a manutenção do peso dentro da média, atividade física regular que trabalhe a musculatura da panturrilha, elevar as pernas acima do coração algumas vezes ao dia e usar meia elástica sob orientação médica.

Além disso, a ida ao angiologista ou cirurgião vascular deve ser feita com regularidade: é muito importante que se busque o especialista ao menos uma vez ao ano. O médico poderá indicar ainda outros métodos alternativos à cirurgia convencional, que podem ajudar muito no conforto e no controle da doença.

Embora a cirurgia convencional de varizes seja o procedimento mais adotado, devido aos resultados muito satisfatórios, há novas técnicas cirúrgicas no tratamento de varizes que podem ser interessantes, mas só o especialista poderá avaliar e decidir junto ao paciente qual a melhor intervenção e tratamento para cada caso. O importante é não deixar de buscar ajuda médica logo que surgir o problema.