Por Ludimila Barros, sócia da Cervejaria Sertões, uma das organizadoras do Bando Beba a Cidade (Instagram @cervejariasertoes)

Fotos de Carol Oliveira (Instagram @caoliphoto)

Feira de Santana – No último domingo (07) a cidade de Feira de Santana-Ba acordou mais cedo. É que aconteceu uma das maiores manifestações da cultura popular feirense: o Bando Anunciador.

A festa nasceu no ano de 1860 e tinha como objetivo anunciar a chegada das comemorações e festejos da padroeira da cidade, Nossa Senhora de Sant’Ana. Pessoas saíam bem cedinho (daí a ideia de “bando”), percorrendo as ruas do centro da cidade, anunciando que o dia da padroeira local estava chegando – 26 de julho (por esse motivo, o Bando Anunciador sempre acontece nos primeiros dias desse mês).

Com o transcorrer do tempo, o Bando Anunciador, que a princípio tinha um caráter exclusivamente religioso, foi ganhando contornos mais populares, agregando para si uma multiplicidade festiva. Assim, em dado momento histórico, as celebrações em torno do Bando, colocaram lado a lado, o “sagrado e o profano”.

Atualmente, a festa tem características carnavalescas: pessoas de diversos “bandos” (associações, bairros, coletivos), ou mesmo individualmente, saem fantasiadas pelas ruas de Feira de Santana, dançando atrás de fanfarras e charangas. As festividades começam de madrugada, com as concentrações de cada bando, e se estendem pelo decorrer do dia.

Pelo segundo ano consecutivo, a Cervejaria Sertões participou do Bando Anunciador, levando para as ruas o Bando Beba a Cidade. Tal iniciativa faz parte do projeto estético e de formação de público da cervejaria, visto que, em sua essência, a Sertões busca valorizar as narrativas locais, seja do consumo de cerveja, seja da história da cidade.

Este ano, o Bando Beba a Cidade teve a participação de 50 pessoas, pouco mais do dobro em relação ao ano anterior, contando, inclusive, com a presença de participantes de Salvador e Alagoinhas. Os foliões curtiram a festividade atrás do carrinho de chope, apreciando três estilos de cervejas diferentes, e se divertindo com os desfiles dos demais bandos. Porque, como dizem a moçada da Sertões, “se bebe a cidade com arte, cultura, ludicidade” e cerveja, é claro!