A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde, considerada tão preocupante quando a desnutrição. Cerca de 7% da população brasileira apresenta desnutrição e 20% obesidade.  Dia 11 de Outubro é o Dia Mundial da Obesidade, data oficial para abordar e alertar sobre a doença que vem crescendo no Brasil e no mundo.

Hoje, um terço das crianças, entre cinco e nove anos, um quinto dos adolescentes e mais da metade dos adultos, em todo o mundo, está acima do peso. “Mais de 50% dos brasileiros está com excesso de peso, na faixa de sobrepeso e obesidade, com maior probabilidade de desenvolver diabetes, hipertensão, doença cardíaca, câncer e outros problemas de saúde, de acordo com os últimos levantamentos. A doença exige prevenção, especialmente, desde a infância, quando já devem ser estimulados hábitos alimentares saudáveis e a prática de atividade física, contribuindo para a melhora na qualidade de vida”, comenta o Dr. Marcus Lima, médico especialista em cirurgia bariátrica e videolaparoscopia.

O crescimento da obesidade no mundo, ligado à hábitos de uma vida mais acelerada, com alimentação menos saudável, fast food, e pouca prática de atividade física, reflete também na maior incidência do câncer. De acordo com o INCA – Instituto Nacional de Câncer, 596 mil novos casos de câncer são estimados para 2016, no Brasil. Destes, aproximadamente 15 mil estarão associados ao sobrepeso e à obesidade.

A obesidade é um fator adicional para o desenvolvimento do câncer. Os tipos de câncer associados à obesidade mais frequentes são: mama, próstata, cólon e reto, ovário, esôfago e endométrio. “Acredita-se que o aumento do risco de alguns tumores como o de mama, endométrio e intestino grosso, nas pessoas obesas, acontece devido a alterações dos hormônios sexuais como estrógeno, progesterona e androgênios, além de mecanismo de resistência à insulina em alguns pacientes obesos. Esses aspectos são propulsores para a multiplicação celular e desenvolvimento do câncer”, explica o Dr. Marcus Lima.

Estudos apontam a cirurgia bariátrica como principal opção de tratamento para o combate à obesidade severa e doenças associadas como câncer, hipertensão, diabetes tipo 2, entre outras. Isso ocorre porque o impacto da cirurgia não se dá apenas no peso, mas no metabolismo do indivíduo. A pessoa que apresenta obesidade tem uma série de alterações metabólicas que são responsáveis pelo desenvolvimento de doenças comumente associadas ao excesso de peso. “Com a perda de peso, de modo geral, há um ganho no metabolismo do indivíduo, fazendo com que ele tenha uma melhora nas doenças, na qualidade de vida e na sobrevida”, conclui o Dr. Marcus Lima.

Sobre Doutor Marcus Lima

unnamedMédico cirurgião, o Dr. Marcus Lima é especializado em videolaparoscopia. Coordena o serviço de vídeocirurgia do Centro Médico Urológico, em Irecê (BA), cidade onde também atua como médico cirurgião do Hospital AMI. Na capital baiana, integra a equipe de cirurgiões da clínica BAROS e, em Lauro de Freitas, da Gastrocentro. É também professor de anatomia e clínica cirúrgica, do curso de medicina da Faculdade de Tecnologia e Ciências de Salvador – FTC.