Caracterizada como uma doença inflamatória crônica, a doença de Crohn (DC) afeta o sistema gastrointestinal, com local de hospedagem que pode ir desde a boca até o ânus. Segundo João Paulo Barbosa o gastroenterologista, do Hapvida Saúde, os sintomas mais comuns são perceptíveis na região da barriga. “É comum que a DC apresente sintomas como dor abdominal, principalmente na região inferior à direita, seguido de diarreia crônica, sangue nas fezes, perda de peso e fadiga“, explica o médico.

Ainda de acordo com Dr. João Paulo Barbosa, a DC costuma-se alojar em indivíduos predispostos geneticamente e em pessoas que estão passando por problemas emocionais. “A causa da DC ainda não está esclarecida. Acredita-se que o estresse emocional pode servir de gatilho para o surgimento da doença em indivíduos predispostos e induzir a recaída da doença em pacientes já com o diagnóstico. Observa-se também que o estresse está envolvido na mudança da microbiota intestinal e desregulação imunológica, o que deixaria o indivíduo mais suscetível ao surgimento da doença”, diz o especialista.

É sabido que em alguns casos a doença pode se manifestar de forma diferente e ser detectada sem a manifestação de nenhum sintoma. Nesses casos, em que os sintomas são nulos, a DC é diagnosticada quando o portador apresenta alguma dor aguda e é levada para fazer exames específicos. Já nos casos em que os sintomas se manifestam, classificamos de leve a moderada quando se apresenta com quadro de diarreia frequente, dor de barriga e sem febre, e de moderada a grave nos pacientes com febre, perda de peso, dor abdominal, náusea, vômitos ou anemia.

O médico explica que o tratamento é de acordo com o quadro que o paciente se apresenta, podendo usar métodos como a utilização de medicamentos imunossupressores, que são utilizados para ajudar na diminuição da quantidade de células inflamatórias no corpo ou através dos medicamentos imunomoduladores, que inibe a atividade do sistema imunológico, de forma que ele não pode mais causar o processo inflamatório crônico característico da doença. Já na fase mais aguda, podemos introduzir o uso de corticóides para atingir a remissão da doença. “Em casos mais avançados que evoluem com complicações, pode ser necessário o tratamento cirúrgico. Lembrando que a indicação desse tratamento deve ser sempre compartilhada entre o clínico e o cirurgião, finaliza Dr. João.