A mobilização nasce da constatação de que o Parque do Abaeté, esse imenso santuário ambiental em pleno espaço urbano, tem sofrido, nos últimos anos, degradação significativa que vem preocupando ambientalistas e comunidade em geral. São invasões pela especulação imobiliária, destruição da reserva de mata atlântica, desaparecimento de espécies animais e vegetais e a brusca diminuição do volume de água das lagoas que formam esse complexo hídrico.

“Isso sem falar da ameaça mais recente com a construção da terceira pista do Aeroporto de Salvador, pela concessionária francesa que administra o aeroporto após sua privatização”, realça o professor universitário e músico Pedro Abib, morador de Itapuã e um dos mobilizadores à frente do ato.

Ele explica que o encontro procura dar visibilidade a essa temática para que toda a sociedade se conscientize sobre os riscos que ameaçam esse Patrimônio Ecológico de Salvador.

Está prevista Roda de Conversa com representantes da comunidade local, dos movimentos ambientais e entidades governamentais com o intuito de discutir propostas para a defesa e preservação do santuário ambiental.